Menu fechado

Jessica Ashwood Não deixe que te digam que você não pode!

projeto escoliose Jessica Ashwood

Jessica Ashwood supera barreiras para representar a Austrália na Olimpíada do Rio de janeiro em 2016.

Em tempos de olimpíada a escoliose está se tornando mais evidente na mídia vide o caso de Usain Bolt e agora este vídeo.

Há dois contrapontos que devem ser cuidadosamente discutidos.

Esta atleta decidiu seguir o caminho da natação de forma competitiva. Ela escolheu priorizar a vida atlética e desta forma, conviver com uma escoliose severa.
Conclui-se que a natação NÃO trata escoliose, como já há estudos comprovando isto.

Importante observar e ressaltar que tanto a fisioterapia, acupuntura e a ioga servem para aliviar suas dores como ela mesma diz; mas não como tratamento. Observe que ao fazer esta escolha ela abriu mão da estética e da própria curva.

Deixamos um alerta: não deixe que te digam que não pode fazer nada mas também esteja consciente de que toda escolha traz consequências.

Nós já publicamos textos em nosso site que indicam que a natação não é tratamento para escoliose e também publicamos indicações de trabalho científico onde se evidenciava que a natação competitiva ou outros esportes a nível competitivo podem piorar uma escoliose que não esteja sob tratamento adequado.

Tratamento adequado significa ser tratado por profissional devidamente certificado em uma das sete escolas de exercícios fisioterapêuticos específicos para escoliose ao qual nos referimos nas nossas postagens mais recentes.

Destacamos
– A escoliose não restringe de forma absoluta as atividades físicas,
– Natação N Ã O trata escoliose,
– Escoliose de adulto também se trata,
– O esporte competitivo fortalece o padrão da escoliose,
– Os efeitos nocivos são minimizados com tratamentos adequados desde que sejam prescritos por profissionais devidamente certificados.

Discutiremos este assunto, entre tantos outros que envolvem o complexo mundo da escoliose, no nosso Ciclo de Estudos que acontecerá no dia 3 de Setembro!

Publicado em:Conscientização

5 Comentários

  1. Ana Maria Borsa

    MARAVILLOSA!!!! También yo con una gran escoliosis, he sido una buena nadadora, de pecho, espalda y estilo libre!!!!
    Graciasssss!!, por MOSTRAR QUE SE PUEDE!!!
    Un GRAN ABRAZO!!!

  2. Adriana

    Eu tenho escoliose idiopática, nunca tratei agora estou com 46 anos, dores no pescoço absurdamente, 67 graus, opero ou não.? Tenho uma filha de oito anos, não sei como agir. Email: adriana_pettersen@ yahoo.com.br

    • Admin

      Olá, se não há nenhum outro comprometimento na coluna e suas estruturas estarem preservadas, não há porque dispensar um tratamento correto e honesto. Temos muitos pacientes adultos com escolioses com graus como o seu que submetidos a nosso tratamento hoje tem uma melhora surpreendente e saíram do quadro antálgico, como consequência recuperaram sua qualidade de vida. Há estudos hoje que demonstram que a cirurgia não é melhor opção do que o tratamento não cirúrgico.

  3. Alessandro Camargo

    Parabens !!! Quando ouvir: Você não pode ou lançarem uma pré -impressão, mostre que és capaz !!!! Fui jogador de futsal… comecei aos 9 anos e joguei até 35….Modestia a parte, fui um bom “atleta”. Joguei em clubes como Fluminense, Olaria, Portuguesa, America, entre outros. Nunca me senti inferior à ninguém, nunca tive receios, mesmo após a cirurgia. Alguns “exercícios” tinha um pouco mais de dificuldades, mas executava.

    • Admin

      Obrigado pelo seu comentário Alessandro. O intuito deste post foi levar aos portadores de escoliose uma visão de sucesso. Mesmo com escoliose é possível alcançar seus sonhos e objetivos.Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.